GIANNI QUIROPRAXIA Quiropraxia na gravidez: evite dores com o método Gestação em Harmonia

VIVA MELHOR, VIVA COM QUIROPRAXIA

Você está grávida, sente fortes dores nas costas, quadril e outras partes do corpo devido o aumento do estresse nos músculos e nervos? 

Sente que a gravidez se tornou desconfortável e desafiadora, quando, na verdade, poderia ser uma das melhores fases da sua vida?

Pois, bem! Você sabia que é possível evitar dores através da quiropraxia na gravidez?

Para saber como, onde e quando pode utilizar o tratamento quiroprático na melhora da sua qualidade de vida durante a gravidez, acompanhe-nos no texto a seguir!

Dores na gravidez

Imagem de uma mulher recém-grávida com dor nas costas
Fonte: Canva

Segundo a pesquisa de Tatiane Hobo, pesquisadora do Centro Universitário de Brasília, mais de 75% das mulheres grávidas sentem dor lombar, pélvica ou sua combinação relacionada à gravidez. Além disso, os dados mostram que a dor aumenta à medida que a gravidez progride.

Vale destacar que alterações biomecânicas são normais durante esse período, mesmo assim, podem resultar em desconforto e dor durante a gravidez e/ou parto. 

Dentre as principais transformações, podemos citar ganho de peso, mudanças hormonais, deslocamento anterior do centro de gravidade, aumento da lordose lombar e frouxidão dos ligamentos lombopélvicos.

Além disso, também existem as dores comuns durante a gravidez, são elas:

  • Dor lombar: causada pelo aumento do estresse na coluna lombar devido a uma mudança anterior no centro de gravidade. Bastante comum durante a gravidez, além de também manifestar-se no pós-parto;
  • Dor no nervo ciático: alguns estudos sugerem que o crescimento do bebê contribui para a pressão uterina nos vasos sanguíneos de suporte ou compressão direta do nervo ciático, o que resulta em dor lombar com radiação para as pernas;
  • Dor sacroilíaca: a frouxidão ligamentar causada por mudanças hormonais durante a gravidez permite que as articulações sacroilíacas, tradicionalmente estáveis e que sustentam o peso, movam-se. Esse aumento da mobilidade pressiona os ligamentos e músculos circundantes, o que pode causar dor;
  • Dor de sínfise púbica: também conhecida como Disfunção Púbica da Sínfise, ou DPS, essa condição produz dor e limitação da mobilidade, além de contribuir para a instabilidade da pelve;
  • Dor no ligamento redondo: os ligamentos redondos do útero contêm fibras contráteis, suspensas e conectadas à parede abdominal anterolateral de cada lado. À medida que o útero cresce, os ligamentos redondos também se alongam e podem causar uma dor aguda em ambos os lados do abdômen ou nos locais de inserção dos ligamentos próximos aos ossos púbicos.
  • Dores de cabeça: principalmente no início da gestação devido às mudanças hormonais, mas também podem ocorrer ao longo de toda gestação e pós-parto.

Muitos obstetras e ginecologistas não sabem que tais indisposições musculoesqueléticas podem ser controladas e melhoradas com cuidados quiropráticos.

Assim sendo, explicaremos ao longo do texto como você, enquanto paciente, pode usufruir dos benefícios da quiropraxia na gravidez.

Método Gianni Quiropraxia Gestação em Harmonia

Imagem de um mulher sendo ajustada durante a gravidez
Fonte: Canva

O Método Gianni Quiropraxia Gestação em Harmonia pode dar outro rumo a maternidade, transformando uma situação incômoda em um momento mágico.

Devemos lembrar que, durante a gravidez, a gestante não pode usar nenhum tipo de medicamento. Afinal, com todas as dores que a mamãe irá sentir, desde dor na lombar até de abertura de pelve, ela precisará de algum tipo de auxílio.

Assim, os ajustes quiropráticos auxiliarão a mamãe a ter maior bem-estar durante a gravidez e melhores condições para o parto. Além disso, eles também irão melhorar a atividade do sistema nervoso da mãe e do bebê, justamente pelos ajustes na coluna vertebral.

Também devemos salientar que a quiropraxia na gravidez ajuda o bebê a ficar melhor encaixado para o parto, além de trazer equilíbrio dos ligamentos e do quadril da mamãe.

No parto, a quiropraxia ajuda no equilíbrio pélvico, abertura de pelve e no soltar dos ligamentos, facilitando a saída do bebê. Caso a mamãe escolha o parto normal, a quiropraxia auxiliará este momento ocorrer da melhor maneira. 

É muito importante que o bebê tenha espaço para mover-se livremente dentro do útero e para isso ele precisa que a pelve esteja equilibrada e os ligamentos não tensionados, independentemente da via de parto (vaginal ou cesárea). 

Perguntas frequentes sobre quiropraxia na gravidez

Por que devo fazer quiropraxia na gravidez?

A maioria das gestantes são encaminhadas por dor lombar ou pélvica associada à gravidez. Isso inclui dor lombar localizada, ciática (dor na perna irradiada), dor na virilha, na perna ou na coxa, além de dor nas costelas, no pescoço, no meio das costas ou dor de cabeça. 

Além disso, a quiropraxia pode auxiliar a determinar o melhor posicionamento fetal para o nascimento.

Também podemos salientar que o ajuste contribui não somente para a saúde da mãe, como também do bebê, já que um corpo bem ajustado tem todas as suas funções fisiológicas otimizadas e, consequentemente,  proporciona o melhor suprimento para o desenvolvimento fetal de forma inata.

O tratamento quiroprático é seguro durante a gravidez?

Sim, o tratamento quiroprático suave, incluindo mobilização articular, tratamento de tecidos moles e exercícios terapêuticos, é seguro e eficaz durante a gravidez. 

Quiropraxistas especialistas são treinados para enfrentar os desafios do corpo grávido, incluindo o afrouxamento dos ligamentos e o aumento de peso.

Preciso voltar ao quiropraxista após meu bebê nascer?

Antes de retornar à rotina, pelo menos uma avaliação pós-parto é recomendada antes que os ligamentos ao redor da pelve se apertem. 

Normalmente, isso ocorre ao mesmo tempo da sua visita pós-parto, ou seja, entre 2 a 4 semanas.

Como a Gianni Quiropraxia pode te ajudar?

A cidade de Caxias do Sul conta com a clínica Gianni Quiropraxia, atuante há mais de 11 anos e com a presença de profissionais qualificados para auxiliar os pacientes no alívio das dores e desconfortos. 

A clínica possui o método Gestação em Harmonia, em que a quiropraxia é usada como parte de um atendimento pré-natal, garantindo maior benefício perante tratamentos obstétricos tradicionais.

O foco da técnica é promover o bem-estar, o alívio das dores, correção postural e devolver a qualidade de vida às  mamães grávidas.

A clínica Gianni Quiropraxia já realizou mais de 30.000 atendimentos, participou de 87 palestras e eventos em que transmitiram a importância e as vantagens da quiropraxia. 

No site da clínica é possível acessar o blog onde são encontrados diversos artigos explicativos sobre a prática e depoimentos dos pacientes.

Para mais informações, acesse o site da Gianni Quiropraxia e fale com um especialista

ATENÇÃO: Veja a opinião de nossos clientes no Instagram da Gianni Quiroraxia!

Equipe

Imagem da equipe da Gianni Quiropraxia
Fonte: Canva

Nossa equipe conta com Filipe e Franciele, sempre dispostos a auxiliar que a gravidez seja uma das melhores fases da vida da mamãe, com poucas dores e muita qualidade de vida.

Filipe André Gianni escolheu a quiropraxia cedo, por indicação de amigos, por querer ajudar sua mãe a qual vira durante toda a infância passar por problemas de saúde, enxaqueca e crises constantes.

Sua formação de quiropraxia é de 5 anos, bacharelado, e com especializações à nível internacional. Em suma, ele se dedica aos cuidados da coluna, articulações e sistema nervoso, para que as mulheres grávidas desfrutem de sua vitalidade em um potencial mais elevado.

Franciele Borilli Gianni, por outro lado, viu de perto como a quiropraxia poderia lhe ajudar, tanto no âmbito de carreira como da própria.

Como especialista, Franciele verificou de perto como a quiropraxia ajuda no tratamento de enxaquecas, por exemplo, um mal que sofria desde jovem e que, agora, já faz 15 anos sem crises frequentes. 

Além, é claro, de vários outros benefícios, por exemplo, melhora na disposição, no sono e, principalmente, qualidade de vida durante a gestação, gestante por duas vezes.

Conclusão

Neste texto, vimos como aliviar as dores e obter maior qualidade de vida durante a gravidez.

Lembre-se: para receber seu tratamento, venha até nossa equipe de quiropraxistas especialistas em gravidez. Após receber o diagnóstico, poderá tratar-se constantemente conosco.

Portanto, se você mora na Serra Gaúcha, procure um quiropraxista na Gianni Quiropraxia. Lá, você terá direito a agendar sua avaliação, além de garantir um primeiro ajuste com 20% de desconto. Confira!

Praticar esportes profissionalmente demanda um esforço sobre-humano dos atletas.

Como resultado, muitos desportistas acabam enfrentando graves lesões ao longo de sua carreira.

Assim sendo, a quiropraxia desportiva seria capaz de tratar e/ou prevenir lesões no esporte?

Para descobrir todos os segredos, confira o texto a seguir!

Origem das lesões desportivas

Imagem de uma atleta fazendo tratamento fisioterapêutico
Fonte: Canva

Antes de tudo, qualquer atleta corre risco de lesionar devido à alta intensidade do treinamento diário.

Geralmente, as lesões surgem pela falta de aquecimento correto, ou seja, alongamento lento dos músculos pré treino intenso.

Tecnicamente, os ligamentos e músculos lesionam-se quando submetidos à esforços superiores a sua força intrínseca, em outras palavras, quando estão fracos ou rígidos demais para executar o exercício.

Além disso, há dois tipos de lesão desportiva: a aguda (derivada de acidente no decorrer da prática desportiva) e a crônica, também conhecida como lesão de sobrecarga (derivada da repetição diária de um movimento específico).

Nesse sentido, a estrutura física de cada atleta pode fazer com que a lesão se manifeste de maneira diferente em cada indivíduo. Em suma, podemos dividir as lesões em seis categorias distintas, sejam elas:

  • Deslocamentos e fraturas;
  • Overtraining;
  • Esforço excessivo;
  • Trauma por impacto (por exemplo, placagens e quedas);
  • Entorses (lesões nos ligamentos);
  • Estiramentos (lesões musculares).

Há também outras lesões desportivas frequentes, como cãibra, tendinite, contratura, fratura e mialgia.

O que é quiropraxia desportiva?

Imagem de um atleta deitado em campo com cores lombares
Fonte: Canva

A princípio, a quiropraxia melhora as condições do sistema músculo-esquelético, seja qual for a aplicação. 

Na quiropraxia desportiva, a meta do tratamento é otimizar o desempenho e o equilíbrio muscular de praticantes de exercícios físicos frequentes, independente de ser atleta profissional ou não.

No geral, a aplicação de técnicas serve para reabilitar contraturas e acabar com inflamações musculares.

Segundo especialistas de medicina esportiva, os atletas procuram tratamento para curar, na grande maioria das vezes, dores nos ombros, nas costas, região cervical e lombar.

Neste caso, são realizados ajustes específicos na coluna e nas articulações. Como resultado, há uma rápida recuperação muscular, assim como maior qualidade dos treinos e prevenção de novas lesões.

Inclusive, os métodos comuns de tratamento na quiropraxia desportiva incluem a técnica de liberação ativa (ART), avaliação seletiva do movimento funcional (SFMA) e a técnica de Graston

Vale destacar que a quiropraxia desportiva não ajuda somente a tratar traumas ou lesões, mas, também auxilia a manter o atleta em alta performance. Ou seja, ela pode ser utilizada como preventiva ou corretiva.

Por que os atletas podem se beneficiar da quiropraxia?

Imagem de um corredor profissional durante o treino
Fonte: Canva

Antes de tudo, devemos ressaltar que a quiropraxia esportiva não faz milagres ao corpo do atleta em comparação a outras estratégias de fisioterapia. 

Em resumo, o tratamento esportivo é semelhante a uma sessão de quiropraxia tradicional, com a diferença que, neste caso, os ajustes são feitos para auxiliar diretamente no rendimento desportivo.

Assim sendo, os principais benefícios da quiropraxia em atletas é o ganho de tônus muscular e o seu relaxamento, o aumento de performance e a prevenção de lesões.

Primeiramente, o ganho de tônus muscular reduz a possibilidade do atleta sofrer com dores em função do esforço causado pelo treinamento ou competição.

No aspecto aumento de performance, uma lesão no joelho ou uma coluna desalinhada pode afetar diversas funções musculoesqueléticas do corpo.

Ao aplicar os ajustes quiropráticos no cotidiano do atleta, há uma melhora geral do corpo que, como resultado, auxilia no aumento de desempenho.

A quiropraxia esportiva regular também ajuda na prevenção de lesões através de correção de desiquilíbrios posturais.

Cases de sucesso da quiropraxia desportiva

Imagem de Leroy Perry durante uma entrevista no YouTube
Fonte: Canva

Atualmente, a quiropraxia desportiva é aplicada em diversos nichos competitivos. 

Segundo o Palmer College of Chiropractic, referência na quiropraxia desportiva, 90% dos atletas de elite utilizam a quiropraxia regularmente para melhorar seu desempenho e prevenir lesões.

Nos Jogos Olímpicos de Montreal, em 1976, quiropraxistas especializados foram inseridos pela primeira vez em competições esportivas, sendo Leroy Perry responsável pelo acompanhamento da equipe olímpica de Aruba.

Hoje, muitos países enviam suas próprias equipes de quiropraxistas para as competições. Só para ilustrar, a equipe dos EUA, líder nos campeonatos internacionais, costumam mandar mais de 100 quiropraxistas para tratar seus atletas.

Na NFL, liga nacional de futebol americano, todos os times possuem quiropraxistas em sua composição, justamente pelos contatos constantes e, por vezes, violentos que o esporte proporciona.

Em 2021, a maratonista Emily Sisson e o lançador de discos Mason Finley conseguiram disputar as olimpíadas de Tóquio, em parte, pelo tratamento quiroprático recebido durante a preparação.

Por que um atleta deve procurar a quiropraxia?

Imagem de jogador de basquete enterrando uma bola durante o jogo
Fonte: Canva

Você, como atleta, ainda pode pensar que a quiropraxia parece mais uma pseudociência do que um tratamento realmente funcional.

Assim sendo, gostaríamos de apresentar as principais razões para um atleta procurar a quiropraxia. Veja a seguir:

  • 90% dos atletas mundiais utilizam o tratamento quiroprático na prevenção de lesões e aumento de desempenho;
  • 77% dos treinadores esportivos encaminham seus atletas para um quiropraxista;
  • Aumento de 6,12% na performance de atletas após receber ajustes da coluna vertebral;
  • Elevação de 30% na coordenação olho-mão após 12 semanas de tratamento quiroprático;
  • 72% dos jogadores profissionais de golfe utilizam a quiropraxia durante as competições;
  • Grande parte das equipes da NHL (liga profissional de hóquei) e da NBA (liga profissional de basquete dos Estados Unidos) tem um quiropraxista na equipe;
  • Ajustes quiropráticos regulares auxiliam os jogadores de beisebol a aperfeiçoarem significativamente sua distância de salto longo e ampliar a força muscular;
  • 50% dos jogadores de tênis que sofrem de dores conhecidas como “cotovelo de tenista” relataram ter sentido alívio nas articulações após receberem ajustes quiropráticos.

Lembrando que todas as informações acima foram obtidas pela pesquisa realizada pela faculdade Palmer College of Chiropractic.

Como o Método de Ajustes promove uma alta performance?

Imagem do quiropraxista Filipe Gianni apresentando uma radiografia
Fonte: Canva

Filipe André Gianni, especialista em lesões esportivas, fornece tratamento quiroprático personalizado para que os atletas voltem ao jogo através do serviço de alta performance

Como atleta, você faz mais esforço do que o normal. Esportes requerem corrida, salto, energia e, nesse sentido, os atletas precisam de toda força que puderem reunir. 

É por isso que, quando as lesões acontecem, muitos atletas recorrem ao tratamento quiroprático.

O excesso de medicamentos prescritos traz o risco de vício e apenas mascaram a dor de uma lesão. Da mesma forma, a cirurgia pode deixar um atleta afastado por meses. 

Nosso método de ALTA PERFORMANCE, por outro lado, consegue aliviar a dor sem medicamentos ou cirurgia – permitindo que os atletas se curem rapidamente e alcancem o desempenho máximo. 

Inclusive, podemos te ajudar nos seguintes casos:

  • Tensões e entorses;
  • Lesões no joelho;
  • Dores nas canelas;
  • Tendinoso.

Essas são apenas algumas das lesões esportivas mais comuns tratadas com a quiropraxia, mas nosso quiropraxista especializado na área esportiva pode tratar uma ampla variedade de lesões esportivas.

Conclusão

Neste texto, vimos como a quiropraxia desportiva pode ser eficaz para alcançar a cultura de alta performance na prática esportiva.

Lembre-se: para receber seu tratamento, vá até um profissional quiropraxista especialista na área esportiva. Após receber o diagnóstico, poderá tratar-se constantemente na sua clínica de preferência.

E se você mora na Serra Gaúcha, procure um quiropraxista em Caxias do Sul na Gianni Quiropraxia.

Segundo pesquisa da OMS, 6 milhões de pessoas sofrem com escoliose no Brasil, sendo que, em 85% dos casos não existe cura, porém pode-se obter mudanças e melhoras em alguns casos.

Em resumo, a escoliose é uma curvatura lateral da coluna vertebral que, geralmente, é diagnosticada durante a infância ou no início da adolescência.

Mas, quais são os sintomas da escoliose? Escoliose pode matar? Existem tratamentos para escoliose?

Para descobrir todas as respostas, confira o texto a seguir!

O que é escoliose?

Imagem de uma ilustração exemplificativa de um paciente com escoliose
Fonte: Canva

Escoliose é um arqueamento atípico da coluna para o lado direito ou esquerdo. Em outras palavras, dizemos que a coluna tem um formato de C ou S, mais frequentemente diagnosticada a escoliose em C.

Geralmente, a identificação patológica é feita durante a infância ou no início da adolescência, além de ter maior incidência em mulheres. Atualmente, a doença atinge entre 3% a 5% dos brasileiros, ou seja, não é tão incomum conhecer alguém com escoliose.

Vale destacar que a doença não tem relação com maus hábitos de postura, como, por exemplo, no caso de bico de papagaio. Mesmo assim, a escoliose pode afetar a postura do paciente, haja vista que o mesmo terá dificuldade para realizar movimentos comuns de deslocamento.

Grande parte dos pacientes que sofrem com a escoliose tem um dos ombros mais altos que o outro, nada grave, mas que, sem acompanhamento, pode trazer dores desconfortantes a rotina de qualquer pessoa.

Em suma, pessoas quem têm escoliose podem trabalhar normalmente, desde que o grau seja leve. Caso a doença impeça o trabalhador de executar suas funções, ele deverá a comprovar por perícia e, como resultado, solicitar a aposentadoria por invalidez.

Mas, o que não pode fazer quando tem escoliose? E como dormir tendo escoliose?

Atualmente, não existe nenhum estudo que contraindique qualquer desempenho de função devido à escoliose leve ou moderada

Sobre dormir, especialistas recomendam o paciente dormir de lado ou de peito para cima, apesar de, nos casos de escoliose lombar, algumas pessoas optarem por repousar com o tronco inclinado para frente, ou seja, com leve grau de inclinação na cama.

Tipos de escoliose

Imagem de vários pacientes com escoliose
Fonte: Canva

Primeiramente, devemos subdividir a escoliose três categorias diferente: graus, causas e regiões.

Sobre os graus de escoliose, podemos citar:

  • Até 10 graus: curva fisiológica levemente alterada, não é definido como escoliose;
  • 10 a 20 graus: curva leve com necessidade de acompanhamento médico;
  • 20 a 40 graus: curva moderada com necessidade de acompanhamento e, em determinadas situações, colete ortopédico;
  • Mais de 40 a 45 graus: curva moderada a grave que, em alguns casos, demanda cirurgia.

Especificamente sobre as causas, os tipos de escoliose são agrupadas da seguinte maneira:

  • Idiopática: situação em que não se sabe a causa e que ocorre de 65 à 80% dos casos;
  • Congênita: o paciente já nasce com escoliose graças à má-formação das vértebras;
  • Degenerativa: surge na fase adulta por lesões, como osteoporose ou fraturas, por exemplo;
  • Neuromuscular: ocorre como consequência de condições neurológicas, por exemplo, paralisia cerebral.

Por último, mas não menos importante, citamos o tipo de escoliose por regiões, sejam elas:

  • Cervical: situação que afeta as vértebras C1 a C6;
  • Cervico-torácica: situação que afeta as vértebras C7 a T1;
  • Torácica / dorsal: situação que afeta as vértebras T2 a T12;
  • Toracolombar: situação que afeta as vértebras T12 a L1;
  • Lombar: situação que afeta as vértebras L2 a L4;
  • Lombossacral: situação que afeta as vértebras L5 a S1.

Ainda existem escolioses em C ou em S, condição em que a coluna vertebral fica nessa posição.

Sintomas

Imagem de uma radiografia de um paciente com escoliose
Fonte: Canva

Na maioria das vezes, a escoliose é uma doença silenciosa e que, consequentemente, não causa dor no indivíduo até a patologia estar em fase avançada.

Dessa maneira, você deve verificar, principalmente no caso de crianças e/ou adolescentes, se a pessoa possui uma coluna visivelmente curvada, um ombro mais alto que o outro, caixa torácica ou quadril inclinados para esquerda ou direita, ou diferença no cumprimento das pernas.

Também pode haver desconforto muscular, leve ou alta, dependendo do grau de escoliose. 

Sensação de fadiga nas costas quando em posição fixa (em pé ou sentado) por muitas horas e aumento unilateral das costelas, também conhecida como gibosidade costal, são outros fatores a serem avaliados.

Além disso, há fatores de risco os quais devem ser analisados caso haja indício de escoliose, como:

  • Histórico familiar: a doença é mais frequente entre integrantes de uma mesma família que tenham antecedentes da deformidade;
  • Idade: como dito anteriormente, a escoliose costuma ser identificada na fase mais acentuada de crescimento, ou seja, durante a infância e início da adolescência, geralmente, dos 9 aos 15 anos;
  • Sexo: meninas possuem um risco muito maior de desenvolver curvaturas anormais na coluna, apesar de ambos os sexos estarem suscetíveis ao surgimento da patologia.

Se houver a suspeita da escoliose em algumas dessas situações, é imprescindível consultar um médico ortopedista para encaminhar exames e/ou tratamento para o tipo de escoliose do paciente. A Quiropraxia pode auxiliar com ajustes para facilitar mobilidade e qualidade de vida das articulações vertebrais e em alguns casos até reduzir ângulos de escoliose.

Diagnóstico

Imagem de um raio de um paciente com escoliose
Fonte: Canva

Diante dos sintomas previamente descritos, você pode se consultar em um médico ortopedista, caso o problema seja com você, ou levar o seu filho, caso o problema seja com ele.

Pois, bem! Para diagnosticar a escoliose é aplicado o Ângulo de Cobb. Mas, o que seria isso?

Ângulo de Cobb é um método utilizado para diagnosticar a escoliose através de exames Raio-X

Nele, desenha-se uma linha na borda de cima da vértebra superior mais inclinada e, simultaneamente, na borda inferior da vértebra inferior mais inclinada.

Logo após, são traçadas retas perpendiculares às linhas traçadas anteriormente e, por fim, elas se cruzam, gerando o ângulo chamado Cobb.

Além disso, são usados alguns critérios para definir o grau da escoliose segundo o Ângulo de Cobb, sejam eles:

  • 10 – 30°: grau da escoliose suave;
  • 30 – 45°: grau da escoliose moderado;
  • > 45°: grau da escoliose severo.

Pacientes que apresentam um ângulo de Cobb superior a 60° possuem problemas de respiração.

Melhores tratamentos para escoliose

Imagem de uma quiropraxista ajustando paciente com escoliose
Fonte: Canva

O tratamento da escoliose deve observar fatores como grau, causa e região, além da idade do paciente.

Principalmente em crianças, se a curvatura da coluna vertebral não se corrigir sozinha, é necessário entrar na fase de órtese, ou seja, inserir um colete externo para o tronco não-removível no pequeno.

Em resumo, a órtese será trocada conforme o crescimento da criança. Mas, geralmente, é utilizada sempre, somente sendo retirada para mudar de modelo. 

No resto dos casos, podemos enumerar a sequência do tratamento da seguinte maneira:

  • Colete: aplicado em crianças e/ou adolescentes onde a órtese não teve retorno. Ele possui função removível que, apesar de não curar a escoliose ou corrigir a curva, pode evitar que a doença piore;
  • Medicação: aplicações locais de corticosteroides podem ter efeito momentâneo para aliviar as dores causadas pela escoliose. Porém, o alívio será passageiro e logo mais precisará de outro medicamento, com o ônus de sempre aumentar as doses para resultar no alívio da dor;
  • Quiropraxia: podem ser feitos ajustes da articulação da coluna e orientação de postura no tratamento da escoliose. Como resultado, há possibilidade de corrigir a curvatura da coluna vertebral;
  • Cirurgia: em casos graves e que já se utilizaram outros métodos de correção deve-se aplicar a cirurgia. Infelizmente, ela possui risco de complicações graves e, portanto, deve ser utilizada somente em casos de escoliose grave.

Nós, da Gianni Quiropraxia, aconselhamos todos os nossos pacientes a tratar a escoliose através da quiropraxia. Além de melhorar consideravelmente as dores na região, reduzindo o consumo de medicamento, ela conseguirá evitar a cirurgia. 

Conclusão

Neste texto, vimos o que é escoliose, tipos, causas, sintomas e tratamento.

Vale lembrar que a escoliose é bastante comum durante a fase de desenvolvimento do corpo, no final da infância e início da adolescência, geralmente entre os 9 aos 15 anos.

Se estiver próximo dessa idade, sinta alguma dor na coluna ou tenha algum sintoma que possa levá-lo a sofrer com a doença, procure, inicialmente, um médico ortopedista e, simultaneamente, um quiropraxista.

Juntos, eles te auxiliarão a tratar sua patologia sem precisar de intervenção cirúrgica.

E caso você precise de um quiropraxista em Caxias do Sul, procure a Gianni Quiropraxia. Nela, você terá os melhores profissionais ao seu dispor para disponibilizar o melhor tratamento para corrigir ao máximo as disfunções de coluna.

Durante o envelhecimento natural da coluna, uma série de anormalidades podem ocorrer, dentre elas, o surgimento do bico de papagaio (osteófitos).

A doença é bastante comum a partir dos 40 anos, algo que, apesar de não ser grave, pode ser trazer grande desconforto ao paciente.

Mas, quais são os sintomas do bico de papagaio? Posso tomar diclofenaco para bico de papagaio?

Para saber como tratar esse mal com métodos alternativos, inclusive quiropraxia, confira o texto a seguir!

O que é bico de papagaio?

Imagem de um coluna vertebral com bico de papagaio
Fonte: Canva

Bico de papagaio, também conhecido como osteofitose, é uma condição degenerativa que atinge os discos ósseos da coluna vertebral, comprometendo a ação amortecedora entre os ossos.

E por que ela tem esse nome?

Ao tirar uma radiografia, verificamos uma alteração óssea que, por acaso, se parece a um bico.

Especialistas consideram os osteófitos como um tipo de defesa do organismo que, para absorver o sobrepeso exercido sobre as articulações e equilibrar a coluna vertebral, cria uma camada óssea anormal em torno de uma articulação das vértebras.

Em resumo, ela causa dor acentuada nas costas, formigamento nos braços e pernas. Há também a queda da força muscular, falta de rigidez óssea e, como resultado, limitação dos movimentos da coluna.

Vale destacar que a osteofitose pode piorar ao longo dos anos, além de não ter cura. Por isso, o paciente que sofre com esse mau deve procurar tratamento para aliviar as dores e a sua falta de mobilidade.

Geralmente, a deformidade atinge pessoas a partir dos 50 anos, mas que, a depender de fatores de risco, podem se manifestar em pessoas mais jovens.

Causas

Imagem de uma mulher com dor nas costas
Fonte: Canva

Há diversos fatores que podem ocasionar na osteofitose, mas que, geralmente, são correspondentes as seguintes circunstâncias:

  • Envelhecimento: com o passar dos anos, há um desgaste natural nas articulações do corpo e, no caso, esse envelhecimento também ocorre nas vértebras da coluna;
  • Má postura: principal fator que leva a formação de bico de papagaio, principalmente em jovens. Se você fica por longas horas sentado em má postura, ou seja, com a cabeça curvada para baixo e/ou sem apoio cervical, corre sérios riscos de sofrer com a osteofitose futuramente;
  • Predisposição genética: caso membros da sua família sofram com osteofitose, há grande chance de você também ser atingido por essa doença;
  • Obesidade: nosso corpo é “projetado” para suportar um peso específico perante nossa altura. Se a sua massa corporal é muito maior do que o ideal, pode haver desgastes nos discos ósseos da coluna vertebral;
  • Sedentarismo: pessoas com dores acreditam que se esforçar pode piorar a sua condição. Mas, na prática, é o contrário, sendo a atividade física responsável por evitar e tratar a osteofitose;
  • Doenças reumáticas: no reumatismo, o surgimento de osteófitos são bastante comuns. Dessa maneira, a obesidade, o sedentarismo e o envelhecimento em conjunto com o reumatismo podem piorar e muito o quadro de sintomas do bico de papagaio;
  • Fraturas: rupturas articulares presentes a longo prazo podem evoluir para osteófitos devido à calcificação desorganizada da coluna vertebral.

As situações descritas acima combinadas podem prejudicar a situação do paciente, obrigado a tratar os sintomas mais simples a curto prazo e preparar recursos terapêuticos a longo prazo para se livrar das doenças mais complexas.

Sintomas

Imagem de figura feminina com dor na coluna
Fonte: Canva.

Por incrível que pareça, muitas pessoas não sentem nenhum sintoma ou desconforto pela osteofitose. 

Dessa maneira, a melhor forma de descobrir se você sofre com esse mau, principalmente se apresentar algum fator de risco citado acima, é por exames de radiografia, também conhecido como Raio-X.

Já quando a patologia está em um nível intermediário à avançada, o paciente sofrerá com dores locais onde o osteófito se encontrar, geralmente na região lombar ou cervical.

Também é possível sentir bastante formigamento dos membros inferiores, no caso da lombar, e superiores, na cervical. Além disso, o paciente pode se sentir fraco muscularmente, como se não conseguisse realizar determinadas tarefas, principalmente aquelas que demandam potência vertebral.

Muitos especialistas recomendam buscar tratamento assim que sentir algum desconforto na coluna. 

Mas, nós da Gianni, aconselhamos nossos pacientes a tratar da saúde constantemente e, de preferência, evitar que essa patologia surja, por exemplo, com a prática de ajustes de quiropraxia.

Alívio

Imagem de caixa organizadora de remédios cheia
Fonte: Canva

Novamente, devemos lembrá-lo que o bico de papagaio não tem cura, devendo o paciente a tratar seu mau da maneira mais conveniente.

No tratamento, há dois casos que podemos citar: quando o paciente precisa se livrar urgentemente das dores agudas e após livrar-se delas.

Nessa primeira fase, o médico ortopedista tem o objetivo reduzir a dor do paciente, geralmente por aplicação medicamentosa.

Mas, qual o melhor anti-inflamatório para bico de papagaio? Diclofenaco para bico de papagaio é bom?

Anti-inflamatórios não esteroides, por exemplo, ibuprofeno e diclofenaco, podem ser úteis no alívio da osteofitose, administrados por via oral ou injetável

Na segunda fase, o paciente pode empregar a terapia em seu tratamento, além de, é claro, investir na quiropraxia para o tratamento do bico de papagaio.

Prevenção

Imagem de uma mulher executando a melhora de postura
Fonte: Canva

A prevenção do bico de papagaio, bem como de qualquer complicação articular, passa por um conjunto de atos significativos, tais como:

  • Evitar o sobrepeso através de uma alimentação balanceada, com destaque para alimentos ricos em cálcio, como sementes, vegetais verde-escuro e, principalmente, leite;
  • Abster-se do consumo excessivo e/ou frequente de bebida alcoólica;
  • Praticar atividades físicas regulares, com ênfase em atividades de baixo impacto, por exemplo, natação, hidroginástica e bicicleta;
  • Ingerir a quantidade ideal de água diariamente;
  • Utilizar cadeiras ergonômicas;
  • Fazer pausas (no trabalho ou estudo) para movimentar as articulações;
  • Preservar-se de utilizar saltos altos durante longo período;
  • Fazer as sessões de quiropraxia indicadas pelo especialista

Todas as dicas citadas devem ser adaptadas a sua realidade e, certamente, você só deve fazer aquilo que se sente confortável. 

Caso tenha algum fator de risco e queira prevenir a osteofitose, procure um médico ortopedista ou um quiropraxista para te indicar a melhor solução para prevenir o bico de papagaio.

Por que a quiropraxia é importante no tratamento de bico de papagaio?

Imagem de um quiropraxista ajustando paciente
Fonte: Canva

Caso o paciente esteja na segunda fase do tratamento da osteofitose, muitos médicos recomendam a quiropraxia para aliviar os sintomas da patologia.

Mas, como é o tratamento do bico de papagaio com a quiropraxia?

Depende muito do local de formação do osteófito, haja vista que ajuste quiroprático tem o objetivo de alinhar a coluna, e não o desgaste do disco.

Na maioria das situações, o quiropraxista fará ajustes para trazer a coluna para o local originário e, dessa maneira, aliviar a sobrecarga existente na coluna vertebral.

Com o tempo, pode ser que a cartilagem presentes nas vértebras se regenere, aliviando as dores, melhorando a postura do paciente e, em alguns casos, evitando cirurgias.

Vale destacar que, dentre os diversos benefícios da quiropraxia no tratamento do bico de papagaio, o principal é evitar a intervenção cirúrgica necessária em casos gravíssimos de osteofitose.

Se você procura por um tratamento alternativo para bico de papagaio ou até em situações que já fora recomendado a cirurgia pelo seu médico, busque por quiropraxistas especialistas para decidir qual seria a melhor forma de prosseguir com o tratamento.

Conclusão

Neste texto, vimos o que é bico de papagaio, causas, sintomas, prevenção e tratamento.

Vale lembrar que a osteofitose é bastante comum, sobretudo em pacientes acima de 50 anos.

Se estiver próximo dessa idade, sinta alguma dor na coluna ou tenha algum fator de risco que possa levá-lo a sofrer com a doença, procure, inicialmente, um médico ortopedista e, simultaneamente, um quiropraxista. Juntos, eles te auxiliarão a tratar sua patologia sem precisar de intervenção cirúrgica.

E caso você precise de um quiropraxista em Caxias do Sul, procure a Gianni Quiropraxia. Nela, você terá os melhores profissionais ao seu dispor para disponibilizar o melhor tratamento para bico de papagaio.

Reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a quiropraxia é uma prática que visa tratar disfunções relacionadas à coluna vertebral, músculos e nervos.  

O objetivo principal da quiropraxia é reduzir as dores, aumentar a flexibilidade e recuperar o funcionamento dos nervos e vértebras em decorrência de doenças, como a hérnia de disco e escoliose, por exemplo. 

Mas, afinal, a quiropraxia é perigosa? Quais são os benefícios da quiropraxia? Veja a seguir!

O que é quiropraxia?

Imagem de uma profissional de quiropraxia tocando as costas de um paciente
Fonte: Canva.

A palavra de origem grega significa prática (práxis) feita com as mãos (quiro). A primeira vez que se teve conhecimento dessa técnica foi em 1895, nos Estados Unidos, com o médico canadense Daniel David Palmer

Quiropraxia é uma profissão na área da saúde capaz de diagnosticar, tratar e prevenir as complicações que surgem em regiões neuromusculoesqueléticas.

A medicina alternativa ou integrativa compreende que a coluna vertebral é responsável por uma grande parte do corpo humano e deve ser tratada com o máximo de cuidado possível. 

Portanto, a técnica manual tem como princípio alinhar e estabilizar essas estruturas

O alinhamento é realizado através de um ajuste específico e preciso, visando restaurar a mobilidade, reduzir a dor e devolver a função das articulações.

A manipulação da articulação é acompanhada por um estalo que corresponde à separação das superfícies articulares e, consequentemente, ocorre a redução da pressão intra articular exercida nesta região.   

Benefícios da quiropraxia

Imagem de uma figura feminina 3D com coluna em destaque
Fonte: Canva

Por não ser uma técnica invasiva, a procura por profissionais da área é relativamente grande. 

Dentre as qualidades da quiropraxia, podemos listar: 

  • Alívio das dores: determinados desconfortos podem ser amenizados com um alinhamento vertebral, proporcionando o alívio dos incômodos;
  • Melhora nos sinais nervosos: por meio da medula espinhal, os sinais nervosos são emitidos para o restante do corpo. A quiropraxia ajuda na desobstrução das vértebras, oferecendo bem-estar;
  • Tratamento para escoliose: a quiropraxia promove a melhoria da escoliose por retardar ou impedir a evolução da doença. Quando o distúrbio está em um grau avançado, a quiropraxia alinha e devolve a mobilidade para o paciente, impedindo o aumento da curvatura da coluna;
  • Hérnia de disco: os benefícios da quiropraxia para a hérnia de disco, embora não incluam a regeneração da lesão discal, contribuem para uma redução significativa das dores, melhor mobilidade e função da região. 

Quem pode fazer quiropraxia?

Imagem de um profissional de quiropraxia ajustando paciente mulher
Fonte: Canva

O tratamento com a quiropraxia é individual e depende de cada pessoa. O profissional é quem determina, por análise, quem pode ou não realizar o procedimento. 

De modo geral, quase todas as pessoas estão aptas para o procedimento. 

Confira a seguir quem pode fazer a quiropraxia:

  • Crianças;
  • Adolescentes;
  • Adultos;
  • Idosos;
  • Pessoas que sofreram acidentes ou lesões
  • Atletas;
  • Gestantes.

Para as crianças, as sessões de quiropraxia são importantes para o crescimento se manter em ordem.

Já para os adolescentes, a técnica auxilia na correção de postura e alivio de possíveis desconfortos em decorrência do crescimento.

Ao longo da vida, com o aparecimento de doenças ocasionadas pela má postura, sedentarismo e carregamento de peso em excesso, a quiropraxia se torna uma alternativa eficaz para o tratamento. 

Contudo, pessoas que tenham câncer não devem se submeter a quiropraxia.

Quiropraxia é perigoso?

Apesar dos vários benefícios citados, algumas dúvidas ainda permanecem. Afinal, a quiropraxia é perigosa? Quais são as contraindicações da quiropraxia? Quais são os riscos e complicações? 

A quiropraxia não é considerada perigosa para a saúde do paciente, pelo contrário, contribuí à saúde pela abordagem holística, vendo o corpo na totalidade. 

Porém, é preciso estar atento aos profissionais capacitados para realizar os procedimentos. 

Em um cenário amplo, a quiropraxia apresenta resultados incríveis. Para um melhor diagnóstico acerca das indicações e contra indicações da quiropraxia, cabe ao profissional habilitado realizar a avaliação.

Você, enquanto paciente, pode buscar por um profissional capacitado no portal da Associação Brasileira de Quiropraxia.

Quanto as complicações, há risco de acontecerem caso o paciente seja contraindicado de realizar o tratamento e o profissional não observe atentamente as condições do mesmo.

Em resumo, as complicações podem ser de origem neurológica, causando lesões; cervicais e/ou torácicas.

Perguntas frequentes sobre quiropraxia

Imagem de um mulher fazendo careta e com dor no pescoço
Fonte: Canva

Algumas das perguntas frequentes sobre a quiropraxia podem ser listadas a seguir: 

1) O paciente sente dor após a quiropraxia?

Segundo o Centro de Quiropraxia de Brasília, os tratamentos não são dolorosos. O que pode acontecer são alguns sintomas pós-quiropraxia por conta da dor intensa do paciente, como cansaço e rigidez. 

Porém, os sintomas não costumam durar por longos períodos e existem técnicas sem estalo como o ativador e o drop table que utilizam baixa (mínima) amplitude de movimento e força.

2) Quanto custa a quiropraxia?

O tratamento pode ser feito de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em algumas cidades, ou particular. Se o paciente optar pelo sistema particular, deve consultar a clínica ou profissional de sua escolha. 

3) Como funciona o tratamento?

A quiropraxia ocorre por sessões que levam de 1 hora na avaliação até 20 minutos nas demais sessões.

4) É possível interromper o tratamento quando não sente mais dores? 

Assim como qualquer procedimento de saúde, não é aconselhável interromper a quiropraxia. Os resultados satisfatórios dependem de sessões frequentes prescritas pelo quiropraxista profissional. 

Clínica de quiropraxia em Caxias do Sul

Imagem de Caxias do Sul
Fonte: Canva

A cidade de Caxias do Sul conta com a clínica Gianni Quiropraxia, atuante há mais de 11 anos e com a presença de profissionais qualificados para auxiliar os pacientes no alívio das dores e desconfortos. 

A clínica possui o método cura, em que são usadas técnicas de correção que proporcionam um ajuste preciso e suave. 

As categorias atendidas vão desde bebês até idosos, gestantes e atletas também contam com um tratamento específico. O foco da clínica é promover o bem-estar e o alívio das dores, a correção postural e devolver a qualidade de vida dos atletas por meio do serviço de alta performance

A clínica Gianni Quiropraxia já realizou mais de 30.000 atendimentos, participou de 87 palestras e eventos em que transmitiram a importância e as vantagens da quiropraxia. 

No site da clínica é possível acessar o blog onde são encontrados diversos artigos explicativos sobre a prática e depoimentos dos pacientes.

Para mais informações, acesse o site da Gianni Quiropraxia e fale com um especialista

Conclusão

Ao longo do artigo, buscamos conceituar o que é quiropraxia, se a técnica alternativa é perigosa, quais são os benefícios da quiropraxia e quais são as indicações e contraindicações.

A prática é indicada para quase todas as pessoas, porém, somente o diagnóstico do profissional é que conseguirá determinar se você está apto ou não para iniciar o processo.

Busque sempre especialistas capacitados e responsáveis. Tenha em mente que a quiropraxia é um ótimo tratamento por ser uma prática não invasiva e com resultados aparentes desde as primeiras sessões. 

E caso você more na Serra Gaúcha, procure a Gianni Quiropraxia para te ajudar.

Segundo a OMS, 30% da população mundial sofre com bruxismo.

No Brasil, a doença afeta até 40% da população, causando desconfortos e complicações que variam conforme o tipo de bruxismo.

Apesar de ainda não haver cura para o distúrbio, já existem tratamentos eficazes para controlar ou aliviar o agravamento da doença.

Quer aprender quais são as causas, sintomas e principais tratamentos para o bruxismo? 

Confira o texto a seguir e descubra!

O que é bruxismo?

Imagem de um mulher jovem com as mãos nas bochechas
Fonte: Canva

Bruxismo é o hábito de apertar involuntariamente a mandíbula, numa atividade como mastigação, pressionando excessivamente a boca e forçando os dentes um contra o outro. 

A pessoa que sofre com o problema nem sempre percebe esse hábito como uma disfuncionalidade. Dessa forma, pode sofrer com sintomas como ranger de dentes, problemas nas gengivas e nos ossos.

O bruxismo afeta pessoas de diferentes idades, mas, geralmente, atinge as crianças em maior proporção.

Nos jovens, o problema é associado ao sistema nervoso central, ligado aos fatores de risco como problemas respiratórios, refluxo gástrico, distúrbios do sono, ansiedade, estresse, transtorno de déficit de atenção (TDAH), entre outros.

Nos adultos, não existe uma idade específica para o aparecimento da doença. 

Ainda vale destacar que, apesar de ser mais comum a noite, os sintomas do bruxismo costumam ocorrer mais frequentemente no período noturno, durante o sono.

Tipos de bruxismo

Na odontologia, o bruxismo é dividido em duas categorias: diurno e noturno. Mas, o distúrbio também pode ser classificado sob duas vertentes: bruxismo cêntrico e excêntrico.

Bruxismo acordado, diurno ou de vigília costuma ocorrer na formação óssea e dentária, dos 2 aos 12 anos. Em adultos, as causas do bruxismo podem vir por transtornos psicológicos, emocionais, neurológicos ou efeitos colaterais de medicamentos, geralmente, antidepressivos.

Bruxismo noturno ou do sono acontecem involuntariamente durante o sono, em que possíveis associações como toro mandibular, distonia oromandibular, estresse ou genética podem interferir.

Além deles, há os tipos de bruxismo cêntrico e excêntrico. No cêntrico, o paciente apenas aperta os dentes, enquanto no excêntrico há o ranger dos dentes, assim como todos conhecem.

Causas

Imagem de uma mulher jovem estressada com as mãos na cabeça
Fonte: Canva

Apesar do avanço da medicina, não existem estudos ou pesquisas que definam a causa do bruxismo ou de que forma se adquire a doença.

O que existem são pesquisas com pacientes onde há algumas situações semelhantes. Sejam elas:

  • Genética;
  • Condicionamento físico;
  • Níveis de estresse;
  • Oclusão;
  • Distúrbios de personalidade;
  • Personalidade agressiva;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Apneia;
  • Tensão muscular;
  • Medicamentos antidepressivos;
  • Álcool;
  • Drogas ilícitas.

Dentre todas as causas do bruxismo citadas acima, os especialistas em saúde bucal apontam o excesso de estresse e fatores genéticos como os principais responsáveis pelo bruxismo cêntrico e excêntrico.

Na infância, adenoides e amígdalas muito grandes podem atrapalhar a passagem do ar e, como resultado, gerar o bruxismo. Além de, claro, questões emocionais, como mudança de escola ou separação dos pais.

Sintomas

Imagem de uma mulher deitada com dor de cabeça
Fonte: Canva

Os sintomas surgem conforme a idade da pessoa, o tempo em que sofre com essa disfunção e qual categoria do distúrbio apresenta. 

Nos tipos de bruxismo cêntrico e excêntrico, os sintomas mais característicos são:

  • Ranger de dentes (som alto capaz de acordar uma pessoa que estiver dormindo ao lado);
  • Dor de cabeça;
  • Dor na região cervical;
  • Dor de dente e/ou aumento da sensibilidade dentária;
  • Tensão dos músculos da mastigação.

Como acontece na maioria das vezes durante o sono, esses sintomas são identificados pela pessoa próxima de quem apresenta o problema, justamente pelo distúrbio ocorrer involuntariamente durante o sono.

Caso não haja o diagnóstico cedo, essas pessoas podem sofrem com esses problemas por anos, suscetíveis ao agravamento dos sintomas citados sem haver melhora temporal.

Tratamento

Imagem de uma mulher colocando um protetor anti-bruxismo
Fonte: Canva

Como dito anteriormente, o bruxismo não tem cura, apesar de também não trazer nenhum perigo extremo a saúde do paciente. De qualquer maneira, existem formas de tratar os sintomas do bruxismo. 

Primeiramente, podemos utilizar a placa de proteção dentária acrílica anti-bruxismo durante a noite. 

O utensílio é parecido com aquele aparelho invisível, usado para evitar o atrito dos dentes e, consequentemente, reduzir problemas nas articulações temporomandibulares.

Também aplicamos compressas quentes ou mornas nos lados da face, auxiliando o relaxamento muscular da região e aliviando os sintomas. 

Nos casos associados a problemas de oclusão, o profissional deve encaminhar o paciente para um tratamento ortodôntico.

Quando tratamos de ansiedade e/ou depressão, os métodos de relaxamento como biofeedback, psicoterapia, assim como o uso de antidepressivos, podem auxiliar na melhora do paciente.

Há também a possibilidade de incluir a meditação, acupuntura, yoga, atividades físicas, fisioterapia e, principalmente, quiropraxia no tratamento.

Em casos de desconforto excessivo na ATM, recomenda-se administrar relaxantes musculares ou benzodiazepinas por curto período, ou seja, utilizar gabapentina e buspirona

Nos casos mais graves, envolvendo trauma cranioencefálico, autismo, coma ou síndrome de Rett, aconselha-se aplicar toxina botulínica (Botox) para reduzir a atividade muscular da região.

Mas, antes de tudo, se você sente alguns dos sintomas descritos e pretende procurar ajuda para diagnosticar e tratar seu problema, procure por profissionais especialistas em dor orofacial. Assim, ele pode te dar um norte sobre quais exames devem fazer e qual será o melhor tratamento para o seu caso.

Quiropraxia no tratamento de bruxismo

Imagem de uma quiroprática ajustando rosto de paciente
Fonte: Canva

No tratamento para bruxismo, os ajustes de quiropraxia atuam na desordem muscular e articular. 

Como poucas pessoas sabem, a cervical está interligada a região da mandíbula e, neste caso, a quiropraxia auxilia na melhora da ATM.

A técnica também auxilia na redução da tensão nos dentes a partir dos ajustes em nós da musculatura, chamados “trigger points”. Dessa maneira, ocorre a normalização do tônus muscular da face e pescoço, diminuindo a dor nas regiões afetadas.

Além disso, a técnica pode ser aplicada em todas as categorias de bruxismo, para qualquer pessoa e idade, necessitando de adaptações de movimento e intensidade conforme as condições do paciente.

No início do ajuste quiroprático, o profissional faz uma liberação na região ATM, temporal e occipital do paciente. Grosseiramente, seria com fazer uma “massagem” nos dois lados da face, na têmpora e parte interna da nuca.

Em seguida, vem a liberação intra oral, visando soltar os pterigóides, os músculos mais internos da boca. Esse procedimento também é realizado nos dois lados da face, durando de 2 a 3 minutos.

Após executar os 4 passos de liberação, o quiropraxista executa a mobilização para trazer fluidez a região ATM, geralmente em movimento J, ou seja, abrir, tracionar, empurrar e subir.

No fim, é possível sentir alívio dos sintomas do bruxismo a partir da primeira sessão, trazendo maiores benefícios com a continuidade do tratamento.

Conclusão

Neste texto, conferimos o conceito de bruxismo, tipos, causas, sintomas e tratamento, principalmente através da quiropraxia.

Lembre-se: para receber seu diagnóstico, vá até um profissional especialista em dor orofacial. Caso ele libere tratamentos alternativos para lidar com os sintomas, procure um quiropraxista para te ajudar.

E se você mora na Serra Gaúcha, procure um quiropraxista em Caxias do Sul na Gianni Quiropraxia.

Como tratar enxaqueca sem tomar remédios?

Tomar medicação sem necessidade ocasionar situação contrária a longo prazo, não causando mais efeito no corpo.

Contudo, há formas de tratar a enxaqueca sem tomar remédio, desde chá para enxaqueca forte até compressas.

Por isso, confira a seguir os 5 segredos para tratar a enxaqueca sem tomar remédio.

Tipos de dor de cabeça

Imagem representativa de um homem com dor de cabeça
Fonte: Canva

Antes de tudo, vamos diferenciar a enxaqueca de outras dores de cabeça. Esta distinção será crucial no momento de como tratar enxaqueca, evitando utilizar técnicas não eficientes.

A enxaqueca, identificada por uma dor de cabeça constante, é um desconforto latejante e presente por vários dias seguidos. Ela é difícil de tratar com remédios, além de trazer sintomas como enjoo, vômito, sensibilidade a barulho e luz.

Primeiramente, existe a dor de cabeça na nuca, um mal-estar clássico para quem possui má-postura no trabalho, estudo ou dormindo.

Um caso que pode ser confundido com enxaqueca é a dor de cabeça e nos olhos. Esse mal-estar pode ser sintoma de problemas de visão, como miopia ou astigmatismo, além de também ficar por vários dias.

Fique atento caso sinta algo parecido e procure um oftalmologista.

Da mesma forma, temos a dor de cabeça na testa, que se mantém por vários dias consecutivos e com pouco efeito de remédios. Nesse caso, o incômodo se relaciona a sinusite, inflamação dos seios nasais.

Finalizando, há a dor no pescoço e na cabeça, situação parecida a dor na nuca, causada por estresse.

Ao verificar a origem da sua dor, poderá analisar se alguma situação se encaixa nas descritas e, posteriormente, buscar tratamento para a enxaqueca.

5 segredos de como tratar enxaqueca sem tomar remédio

Confira a seguir os melhores métodos para tratar enxaqueca sem uso de medicamentos:

1 – Fazer compressas frias

Imagem de uma mulher sentada no fazendo compressa fria na cabeça ensinando como tratar enxaqueca
Fonte: Canva

Em resumo, compressas são feitas por apoio de toalha, pano ou bolsa térmica sobre a região dolorida. 

Atualmente, existem três categorias de compressa: fria, morna e quente, mas, neste exemplo, utilizaremos apenas a compressa fria.

As compressas frias são realizadas com gelo, assim como os atletas aplicam após alguma pancada. No tratamento, a compressa fria deve ser aplicada onde mais se sente a dor e deixá-la entre 10 a 20 minutos.

Além de auxiliar na constrição os vasos sanguíneos da cabeça, ela reduz o volume de sangue no local, suavizando a dor.

2 – Tomar café

Imagem de uma mulher segurando um copo de café
Fonte: Canva

Que café acelera nosso metabolismo e nos deixa mais “alerta”, acredito que todos saibam. 

Mas, como tratar enxaqueca cm café? Será que há fundamento nessa teoria?

O café possui uma substância chamada cafeína, também presente em xaropes, refrigerantes e estimulantes. 

A cafeína produz no nosso cérebro um evento chamado vasoconstrição, em outras palavras, a contração dos vasos sanguíneos do cérebro.

Assim, o café pode ser utilizado como tratamento alternativo para quem sofre de enxaqueca

Mas, seu uso exagerado tem efeito contrário. Um estudo publicado no American Journal of Medicine contou com 98 voluntários que sofrem com enxaquecas episódicas, recrutados pela pesquisadora Elizabeth Mostofsky, da Escola de Saúde Pública TH Chan de Harvard. 

Em suma, enxaquecas episódicas são aquela que se manifestam por pelo menos duas vezes por mês, não ultrapassando 15 dias consecutivos.

Pois, bem! O resultado apontou que quem consumiu 3 ou mais doses de café por dia passou a sofrer com episódios constantes de enxaqueca. Já os pacientes que consumiram até 2 doses por dia mantiveram pouco ou nenhum sintoma de dor de cabeça forte e/ou constante.

3 – Vitaminas do complexo B

Imagem de vários comprimidos de vitamina B
Fonte: Canva

As vitaminas do complexo B são boas para aliviar sintomas de enxaqueca justamente por seu funcionamento do sistema nervoso central.

Apesar de haver muitos tipos de vitaminas B, trataremos de três principais: B2, B6 e B12. Veja:

  • Vitamina B2: também chamada riboflavina, a falta da vitamina pode causar sensibilidade a luz e fadiga, gatilhos para a enxaqueca. A B2 está presente em legumes, ovos, leite, queijo, fígado, entre outros. Assim sendo, seu consumo ajuda a prevenir o mal-estar;
  • Vitamina B6: indicada em casos de enxaqueca que o individuo sofre com oscilações hormonais. Muito útil para mulheres em tensão pré-menstrual (TPM), a vitamina B6 pode ser encontrada em banana, frango, peru, salmão e frutos-do-mar;
  • Vitamina B12: a falta dessa vitamina pode causar uma doença dessensibilizante que, como resultado, gera crises constantes de dor de cabeça. Alimentos como fígado, amêndoas, espinafre, leite, queijo, ovos e iogurte pode ajudar na prevenção da enxaqueca.

Claro que consumir esses alimentos não trará nenhum mal ao paciente. Contudo, é sempre interessante visitar um neurologista especialista para verificar se tais alimentos ajudam realmente a aliviar os sintomas.

4 – Chá de gengibre

Imagem de um chá de gengibre em cima da mesa
Fonte: Canva

O gengibre é uma substância mais comum no cotidiano se tratando de métodos curativos, muito utilizado em casos de resfriados e dores de garganta, por exemplo.

Isso porque a planta consegue bloquear a síntese de prostaglandina, responsável pelos processos inflamatórios e de dor no nosso corpo.

Mas, será que o gengibre realmente auxilia a reduzir a enxaqueca?

O estudo publicado na Biblioteca Wiley Online comparou o uso de gengibre a Sumatriptano, medicamento usado para tratar a enxaqueca. Em conclusão, o estudo relatou que os produtos de gengibre são uma escolha favorável para o tratamento da enxaqueca aguda quando comparado com sumatriptano

Ou seja, pacientes que sofrem com enxaquecas constantes e não observam mais resultados via medicamento comum podem apostar no gengibre para tratar sua condição neurológica crônica.

Apesar de, no estudo, a substância ter sido aplicada em cápsulas de 250 mg, recomenda-se consumir o gengibre em forma de chá.

Desta feita, rale 25 g de gengibre fresco, misture a 500 ml de água e ferva durante 15 minutos. Coe, deixe esfriar e beba sem açúcar. Para sua eficácia máxima, se esforce para consumir a bebida diariamente.

5 – Quiropraxia

Imagem de um quiroprático ajustando paciente
Fonte: Canva

Lembra quando tratamos das dores de cabeça na nuca e no pescoço? Ela também pode ser chamada cefaleia cervicogênica, cuja origem é relacionada a problemas no pescoço (cervicogênica).

A quiropraxia auxilia no tratamento da dor de cabeça justamente por tratar disfunções neuro-musculo-esqueléticas, com efeito direto na cervicogênica.

Nesse caso, o tratamento age naquela dor que sobe o pescoço e vai para a cabeça, ficando durante dias e sem melhora após o efeito da medicação passar, configurando a enxaqueca.

No tratamento quiroprático, há a remoção da disfunção “subluxação vertebral” por ajuste.

Com a melhora do tônus muscular, o paciente consegue uma maior amplitude de movimento do pescoço. Assim, favorece a postura, reduz as sensações dolorosas e ameniza os sintomas da enxaqueca.

Conclusão

Neste texto, vimos as melhores dicas de como tratar enxaqueca sem tomar remédio.

Certamente, tratar de dores crônicas somente em casa pode ser um risco. 

Por isso, procure um neurologista e, simultaneamente, um quiropraxista para resolver seu problema. Afinal, nem todos os problemas de saúde se resolvem com tratamentos rápidos.

E se você precisar de um quiropraxista em Caxias do Sul, procure a Gianni Quiropraxia. Nela, você terá os melhores profissionais ao seu dispor para ensinar como tratar enxaqueca e se livrar de vez desse mal.

Você trabalha sentado o dia inteiro? Fica horas estudando no computador? 

Então, provavelmente você sofre com dor nas costas, certo?

Neste texto, explicaremos como a má postura pode evidenciar a dor nas costas, independente da idade ou ocupação do paciente.

Portanto, caso queira descobrir os sintomas de má postura e se colete para corrigir postura funciona, confira o texto a seguir!

Quais são os tipos e causas de dor nas costas?

Imagem de um jovem sofrendo com dor nas costas
Fonte: Canva

Antes de tudo, devemos lembrar que cada pessoa, a depender de sua ocupação, mantém uma posição fixa durante o dia. Ou seja, em pé, sentado, estudando e, principalmente, trabalhando.

Por isso, há diferentes causas da dor nas costas, nem sempre associada à má postura.

Dessa maneira, confira quais são as principais categorias de dores nas costas e suas causas:

  • Dor nas costas do lado esquerdo ou direito: essa categoria de dor se enquadra em pessoas que realizam movimentos repetitivos ou desempenham seu trabalho de maneira prolongada, com esforço ou não, em uma posição desconfortável, como é o caso de eletricistas, dentistas ou pedreiros;
  • Dor nas costas na parte de cima: também chamada escápula, a dor nessa região pode ser causada por um desequilíbrio da musculatura que compõe a cintura escapular. Além disso, erguer peso de maneira incorreta e hérnia de disco cervical também podem trazer desconforto para a região, sem esquecer da má postura;
  • Lombalgia: mesmo dolorida, a dor no cóccix é uma das que menos trazem perigo ao corpo. Dentre as principais causas, quedas, pancadas, má postura, esforço repetitivo e gravidez são as mais comuns. No caso de cisto pilonidal, hérnia de disco e excesso de peso, o paciente deve ter um cuidado maior, procurando um centro médico qualificado para tratar seu problema quanto antes;
  • Doença degenerativa na coluna vertebral: doença progressiva que afeta o amortecimento entre as vértebras, causando fissuras, afinamento e, como resultado, dores frequentes e progressivas;
  • Hérnia de disco: doença degenerativa mais comum na população, afetando locais como hérnia cervical (pescoço) e discos herniados lombares (região lombar);
  • Ciático: a dor no nervo ciático ocorre quando ele sofre uma compressão, geralmente, em situações frequentes de esforço ou na gravidez. É mais comum que os pacientes tenham hérnia de disco lombar, especialmente entre L4 ou L5;
  • Escoliose: encurtamento da coluna por uma curvatura lateral, ou seja, a coluna faz uma curva para um dos lados, em forma de “C” ou “S”, trazendo bastante desconforto muscular. É comum durante a puberdade e, em geral, não traz riscos graves, apesar de ser bastante dolorido e danoso à postura;

Claro que existem outros locais nas costas onde podem surgir dores. Mas, como esses são os pontos mais citados pelos pacientes, preste atenção nos sintomas e procure tratamento eficaz quando aparecerem.

Dicas para aliviar a dor nas costas

Imagem de uma mulher se espreguiçando no chão
Fonte: Canva

Primeiramente, devemos lembrar que aliviar difere de tratar, ok?

Essas dicas servirão para mitigar desconfortos momentâneos, mas que, a longo prazo, devem ser tratados com profissionais especializados, preferencialmente fisioterapeutas e/ou quiropratas.

Dito isso, você pode utilizar compressa para dor nas costas, assim como medicamentos e, em casos mais leves, relaxamento.

Vale destacar haver dois tipos de compressa: quente e fria. Na quente, há as técnicas seca e úmida.

Dentre os principais remédios para aliviar dor nas costas, se destacam o naproxeno, ibuprofeno, diclofenaco, paracetamol, dipirona ou celecoxibe para dores leves ou moderadas; codeína e o tramadol para dores severas.

Na técnica de relaxamento, o indivíduo deve se deitar ou sentar encostado em alguma superfície onde suas costas fiquem totalmente apoiadas. Dessa forma, ocorrerá uma redução na tensão muscular e, após alguns minutos, sentirá um alívio momentâneo.

Novamente, o relaxamento somente se enquadra em situação de dor leve, seja qual for a região.

Colete corretor de postura realmente funciona?

Imagem de um homem usando corretor postural
Fonte: Mercado Livre

Para quem conhece, um corretor postural se assemelha muito a um coldre de peito.

Feitos de nylon, borracha crua e poliéster, o corretor ajuda a melhorar a postura e evitar o agravo / desenvolvimento de lesões na coluna.

Contudo, especialistas recomendam que o colete somente seja utilizado em indivíduos com alguma patologia, como escoliose idiopática, por exemplo. 

Para correção postural, o colete não é indicado. Afinal, ele fará a função da musculatura e, a longo prazo, a deixará flácida devido à falta de movimentação.

Como preservar sua coluna no dia a dia?

Imagem de um quiropraxista ajustando paciente
Fonte: Mercado Livre

Certamente, você já ouviu muitas das dicas descritas abaixo. O ponto-chave é prestar atenção nas atitudes cotidianas e seguir o recomendado pelos profissionais.

Em síntese, praticar alongamentos, evitar flexionar a coluna ao abaixar, não carregar pesos de um único lado do corpo e alternar as horas sentadas na cadeira com pequenos passos podem ajudar na sua rotina.

Atualmente, muitas pessoas que sofrem com dores nas costas investem na quiropraxia para aliviar e tratar a dor nas costas, além de preservar sua coluna no dia a dia.

A quiropraxia ajuda na amplitude dos movimentos, reduzindo a rigidez muscular e proporcionando bem-estar e relaxamento.

Quando ir ao médico?

Imagem de um quiropraxista ajustando ombro de paciente
Fonte: Canva

Como profissionais da área da saúde, diríamos para ir assim que sentisse algum desconforto nas costas a ponto de atrapalhar sua rotina.

Mas, como sabemos que muitas pessoas têm a vida corrida e, infelizmente, negligenciam sua saúde perante outras tarefas, vá ao médico em caso de dores severas.

Priorize, principalmente, situações de coluna travada, dor no tórax e dor persistente na escápula. Afinal, essas serão as dores que inviabilizarão a realização de todas suas tarefas.

Acreditando no seu cuidado com o próprio corpo, otimista como somos, o incentivamos a evitar as dores nas costas através das dicas acima e, caso não haja mais solução, tratar com profissionais especializados.

Conclusão

Viu como evitar problemas na coluna e corrigir a postura pode ser bem melhor que tratar de maneira convencional, com medicamentos e/ou cirurgia?

Lembre-se das dicas descritas e, caso queira trazer alívio e bem-estar para seu corpo, invista na Quiropraxia.

E se você estiver localizado na Serra Gaúcha, que tal investir em um quiropraxista em Caxias do Sul?

Para conhecer nosso método e solucionar sua dor nas costas, entre em contato com a Gianni Quiropraxia!

Abrir chat
Fale com Especialista
Clique novamente para ser atendido via WhatsApp.